ABERTURA

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Vapor de Água na Lua Europa, de Júpiter



Telescópio Espacial Hubble da NASA tem observado o vapor de água acima da região polar sul de frígida lua Europa, de Júpiter , fornecendo a primeira evidência forte de plumas de água em erupção fora da superfície da lua.

Descobertas científicas anteriores de outras fontes já apontam para a existência de um oceano localizado sob a crosta gelada de Europa . Os pesquisadores ainda não são totalmente certo se o vapor de água detectado é gerado pela erupção plumas de água na superfície, mas eles estão confiantes de que esta é a explicação mais provável.

Deve promover observações suportam a conclusão , isso tornaria Europa a segunda lua no sistema solar conhecido por ter plumas de vapor d'água . Os resultados estão sendo publicados na edição de 12 de dezembro online da revista Science Express, e relatado na reunião da União Geofísica Americana em San Francisco.

"De longe a explicação mais simples para este vapor de água é que ele entrou em erupção a partir de plumas sobre a superfície da Europa ", disse o principal autor Lorenz Roth do Southwest Research Institute em San Antonio. " Se as plumas estão conectados com a água do oceano subsuperficial estamos confiantes existe sob a crosta da Europa , então isso significa que investigações futuras possam investigar diretamente a composição química do ambiente potencialmente habitável da Europa sem a perfuração através de camadas de gelo. E isso é tremendamente excitante".

Em 2005, a Cassini orbiter da NASA detectou jatos de vapor de água e poeira que vomita fora da superfície da lua de Saturno Enceladus . Apesar de partículas de gelo e poeira , posteriormente, foram encontrados nas plumas Enceladus , apenas gases de vapor de água foram medidos na Europa até agora .

Observações espectroscópicas Hubble forneceu a evidência de plumas Europa em dezembro de 2012 . Tempo de Amostragem de emissões aurorais de Europa medido pelo espectrógrafo de imagem do Hubble permitiu aos pesquisadores distinguir entre as características criadas por partículas carregadas de bolha e plumas de superfície de Europa magnético de Júpiter , e também para descartar explicações mais exóticos, como por acaso observando impacto de um meteorito raro.

O espectrógrafo de imagem detectada luz ultravioleta fraco de uma aurora, alimentado por intenso campo magnético de Júpiter , perto do pólo sul da lua. Oxigênio atômico animado e hidrogênio produzem um brilho auroral variável e deixar um sinal revelador de que são os produtos de moléculas de água que está sendo esfacelado por elétrons ao longo das linhas do campo magnético.

" Nós empurramos Hubble para os seus limites para ver esta emissão muito fraca . Estes poderiam ser plumas furtivas , porque eles podem ser tênue e difícil de observar à luz visível ", disse Joachim Saur , da Universidade de Colônia, na Alemanha . Saur , que é investigador principal da campanha de observação do Hubble , co- escreveu o papel com Roth.

Roth sugeriu que longas fissuras na superfície de Europa , conhecidas como lineae , pode ser de ventilação do vapor de água para o espaço. Cassini viu fissuras semelhantes que hospedam os jatos Enceladus .

Além disso, a equipe de Hubble descobriu que a intensidade das plumas Europa , como aqueles em Enceladus , varia com a posição orbital da Europa . Jatos ativos só foram vistos quando a lua está mais distante de Júpiter. Os pesquisadores não conseguiu detectar qualquer sinal de ventilação quando Europa está mais perto de Júpiter.

Uma explicação para a variabilidade é que esses lineae experimentam mais estresse como forças de maré gravitacional empurrar e puxar a lua e as aberturas abertas a distâncias maiores de Júpiter. As aberturas são estreitadas ou fechado quando a lua está mais próxima do planeta gasoso gigante .

" A variabilidade pluma aparente suporta uma previsão chave que Europa deve tidally flexível por um montante significativo se tiver um oceano subterrâneo ", disse Kurt Retherford , também do Instituto de Pesquisa do Sudoeste .

As plumas Europa e Enceladus tem abundâncias notavelmente semelhantes de vapor de água. Porque Europa tem uma força gravitacional cerca de 12 vezes mais forte do que Enceladus , a menos- 40 graus Fahrenheit (menos -40 graus Celsius ) vapor para a maior parte não escapa para o espaço como ele faz em Enceladus , mas cai de volta para a superfície depois de atingir uma altitude de 125 milhas ( 201 km ) , de acordo com as medições do Hubble . Isso poderia deixar características de superfície brilhantes perto região polar sul da lua, os pesquisadores acreditam .

" Se confirmada , esta nova observação mostra mais uma vez o poder de o Telescópio Espacial Hubble para explorar e abre um novo capítulo em nossa busca por ambientes potencialmente habitáveis ​​em nosso sistema solar", disse John Grunsfeld , um astronauta que participou de missões de manutenção do Hubble e agora serve como administrador associado da Nasa para ciência , em Washington. " O esforço eo risco que tomou para atualizar e reparar Hubble torna-se ainda mais interessante quando aprendemos sobre descobertas emocionantes como este da Europa . "

O Telescópio Espacial Hubble é um projeto de cooperação internacional entre a NASA ea Agência Espacial Europeia. Goddard Space Flight Center da NASA gerencia o telescópio. O Instituto de Ciência do Telescópio Espacial (STScI ) realiza operações científicas do Hubble . STScI é operado para a NASA pela Associação de Universidades para Pesquisa em Astronomia, Inc., em Washington , DC
Fonte; ASTRONOMICANDO Boletim de Noticias do Observatório Astronômico Monóceros

sábado, 16 de novembro de 2013

Imagem de Enxame Estelar ajuda a Entender formação de Planetas


 

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

O enxame estelar NGC 3572 e o seu meio circundante (Foto: Divulgação/ESO) (foto maior)

 Vista de grande angular do céu em torno do enxame estelar NGC 3572 (Foto: Divulgação/ESO) (foto menor)
 Imagem divulgada pelo ESO mostra enxame NGC 3572.

Foto foi obtida por equipamento instalado em La Silla, no Chile.

Do G1, em São Paulo


 
Astrônomos do Observatório Europeu do Sul, o ESO, capturaram imagem considerada a melhor já obtida de nuvens em torno do enxame estelar NGC 3572, localizado na constelação austral de Carina (a Quilha), com muitas estrelas quentes jovens azul-esbranquiçadas.

A foto por telescópio instalado no observatório de La Silla, no Chile.  As estrelas mais brilhantes do enxame são muito mais pesadas do que o Sol e terminarão a suas curtas vidas em explosões de supernovas. Elas brilham de forma intensa e emitem poderosos ventos estelares que ajudam a dispersar o gás e a poeira que ainda restam na sua região circundante.

Segundo o ESO, estrelas que nascem no interior de um enxame podem ser irmãs, mas não são gêmeas. 

Têm quase a mesma idade, mas diferem em tamanho, massa, temperatura e cor.

O percurso de vida delas é determinado em grande parte pela sua massa, por isso um determinado enxame conterá estrelas em várias fases das suas vidas, fornecendo aos astrônomos um laboratório perfeito para estudar a evolução estelar

Segundo os cientistas, o enxame NGC 3572 contém astros com mais de 10 milhões de anos e a formação neste enxame dura há, pelo menos, 20 milhões de anos. Tais informações sugerem que o processo de formação planetária pode ocorrer em escalas de tempos muito mais longas do que se pensava anteriormente.
Fonte ASTRNOMICANDO Boletim de Noticias do Observatório Astronomico Monoceros


terça-feira, 12 de novembro de 2013

Nascimento de Estrela a 1.400 anos-luz é Registrado por Telescópios


Segunda-feira, 11 de Novembro de 2013

Nascimento de estrela a 1.400 anos-luz é registrado por telescópios

HH 46/47, na constelação da Vela, liberou jatos supersônicos ao se formar.
Registros foram feitos pelos telescópios Spitzer, da Nasa, e Alma, no Chile.

Do G1, em São Paulo

FOTO;
Imagem de nascimento estelar combina observações feitas pelos telescópios Spitzer, da Nasa, e Alma, instalado no norte do Chile pelo Observatório Europeu do Sul (ESO) (Foto: Nasa/JPL-Caltech/Alma)


Uma combinação de dados do Telescópio Espacial Spitzer, da Nasa, e do telescópio terrestre Alma, instalado no norte do Chile pelo Observatório Europeu do Sul (ESO), mostra o nascimento turbulento de uma estrela a 1.400 anos-luz da Terra, na constelação da Vela.

Os "espasmos" vistos acima foram gerados pelo objeto Herbig-Haro (HH) 46/47, formado após jatos liberados por estrelas recém-nascidas colidirem com o material cósmico ao redor, o que produz pequenas regiões nebulosas e brilhantes.

A olho nu, essa estrela ficaria obscurecida pelo gás e pela poeira que a envolvem. Mas os telescópios usaram ondas de luz infravermelhas e submilimétricas para ultrapassar a nuvem escura.

As observações feitas pelo Spitzer mostram jatos gêmeos supersônicos que saem do centro do astro, destroem o gás em volta e dividem o objeto em duas metades borbulhantes.

Segundo o cientista Alberto Noriega-Crespo, do Centro de Processamento e Análise de Infravermelho do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), em Pasadena, estrelas jovens como o nosso Sol precisam remover um pouco do gás que cai sobre elas para se manterem estáveis, e a HH 46/47 é um excelente laboratório para estudar como ocorre esse processo.

Noriega-Crespo liderou a equipe que começou a estudar esse astro com o telescópio Spitzer, há quase dez anos. Agora, ele e seus colegas conseguiram obter uma imagem em melhor resolução.

Com as informações do Alma, captadas pela equipe do cientista Hector Arce, da Universidade Yale, nos EUA, os astrônomos viram que o gás contido nos dois lobos do objeto está se expandindo mais rapidamente que o imaginado. Esse mecanismo exerce um efeito sobre a turbulência gerada na nuvem gasosa que originou a estrela. Os resultados do Alma foram publicados recentemente na revista "The Astrophysical Journal".
Fonte : ASTRONOMICANDO Boletim de Noticias do Observatório Astronômico Monóceros 

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Sonda da Nasa envia fotografia da Superfície do planeta Mercúrio


 

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Do G1, em São Paulo
Fotografia feita pela sonda Messenger, da Nasa, mostra a superfície do planeta Mercúrio (Foto: Johns Hopkins University Applied Physics Laboratory/Carnegie Institution of Washington/Nasa/Reuters)

Imagem divulgada nesta semana pela sonda Messenger, da agência espacial americana (Nasa), mostra a superfície do planeta Mercúrio. A fotografia foi feita em 2 de outubro pelo equipamento.

A Messenger (que significa "mensageiro", mas é também a sigla em inglês para Exploração, Geoquímica, Ambiente Espacial e Superfície de Mercúrio) partiu da Terra em 3 de agosto de 2004, e desde então fica "dançando" entre a Terra, a Lua e Mercúrio propriamente dito, num complexo movimento que o impede de ser atraído pelo campo gravitacional do Sol.

A nave, com dois painéis solares para alimentação e um guarda-sol para mantê-lo fresco o suficiente para operar, vai estudar a história geológica, o campo magnético, a composição da superfície e outros mistérios desse planeta tão pouco conhecido. Quando a missão terminar, a nave vai cair na superfície de Mercúrio.

Com um diâmetro ligeiramente maior que o da Lua (cerca de 4.800 quilômetros), Mercúrio deveria ser todo sólido, até o núcleo. Mas a presença de um campo magnético sugere que ele é parcialmente derretido por dentro.
Fonte; ASTRONOMICANDO Boletim de Noticias do Observatório Astronômico Monóceros

Lugar mais frio Conhecido no Universo Lembra forma de Fantasma


                                 Nebulosa do Bumerangue está a 5 mil anos luz da Terra.
                               Sua temperatura é de -272ºC, pouco acima do zero absoluto.

Do G1, em São Paulo

 Nebulosa Boomerang, lugar mais frio do universo, tem forma de fantasma (Foto: Bill Saxton; NRAO/AUI/NSF; NASA/Hubble; Raghvendra Sahai)

 Astrônomos do Observatório Alma, no Chile, enxergaram um novo formato da Nebulosa do Bumerangue, nuvem de gás e poeira que é o lugar conhecido mais frio no Universo, com temperatura de -272ºC. As imagens capturadas revelam que ela tem um formato alongado, que se parece com o desenho de um fantasma.

Segundo os pesquisadores, o que se vê nas novas imagens do Alma é um truque de luz. Nebulosas planetárias, como a Boomerang, são estrelas no final de sua existência. Ao centro é possível observar estrelas anãs brancas, que emitem radiação ultravioleta intensa que faz com que o gás ao seu redor brilhe e emita luz com cores vibrantes.

As primeiras imagens da nebulosa, feitas com telescópios terrestres, mostravam uma forma curvada, que deu origem ao seu nome. Outras fotografias, registradas com o Telescópio Espacial Hubble em 2003, exibiam perfil mais semelhante a uma gravata borboleta.

"Este objeto ultrafrio é extremamente intrigante e estamos aprendendo muito sobre a sua verdadeira natureza", diz Raghvendra Sahai, pesquisador e principal cientista do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA em Pasadena, Califórnia, em nota divulgada pelo Observatório Nacional de Radioastronomia dos Estados Unidos. "O que parecia um lóbulo duplo ou a forma de bumerangue é, na verdade, uma estrutura muito mais ampla que está se expandindo rapidamente para o espaço."

A Nebulosa do Bumerangue fica a 5 mil anos luz de distância da Terra, na Constelação Centaurus. Segundo os astrônomos do ALMA, trata-se de uma nebulosa pré-planetária, na qual a estrela central ainda não está quente o suficiente para emitir radiação ultravioleta para produzir o brilho característico.

A nuvem de gás e poeira desta estrela estão se expandindo e esfriando rapidamente, num processo semelhante aos que os refrigeradores usam gás expandido para produzir temperaturas frias. Os cientistas mediram a temperatura do gás na nebulosa ao observar como ela absorve a radiação cósmica de microondas, que têm temperatura de menos -270º C.

A pesquisa também revela que as franjas exteriores da nebulosa começam a se aquecer, apesar de ainda serem mais frias do que a radiação cósmica. Segundo os pesquisadores, o aquecimento deve acontecer por conta do efeito fotoelétrico, no qual a luz é absorvida pelo material sólido, que por sua vez reemite elétrons.
Fonte; ASTRONOMICANDO Boletim de Noticias do Observatório Monóceros

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Saturno e seus Anéis são Vistos de Cima por Sonda Espacial da Nasa


 
Saturno e seus anéis vistos de cima pela sonda Cassini, da Nasa 
(Foto: Nasa/JPL-Caltech/SSI/Cornell)

 

                     terça-feira, 29 de outubro de 2013

   Saturno e seus anéis são vistos de cima por sonda espacial da Nasa

Imagem em cor natural foi obtida pela missão Cassini-Huygens no dia 10.
Tons dourados predominam no planeta; apenas polo norte aparece azulado.

Do G1, em São Paulo


O planeta Saturno e seus anéis foram registrados de cima pela sonda Cassini, da agência espacial americana (Nasa). A imagem em cor natural – vista como os olhos humanos a teriam observado – foi obtida no dia 10 de outubro.

Pela foto, é possível distinguir diferentes climas em Saturno. Uma faixa ondulada e brilhante de nuvens, por volta dos 42 graus de latitude norte, é consequência de uma turbulência gigante que atingiu seu pico no início de 2011.

Já no polo norte do planeta, há o chamado "sistema de nuvens hexagonal", uma misteriosa tempestade que lembra uma figura geométrica com seis lados e tem cerca de 25 mil km de diâmetro – distância na qual seria possível enfileirar quatro Terras.

Quando a sonda Cassini chegou ao planeta, em 2004, o hemisfério norte passava pelo inverno e exibia uma tonalidade azulada. Já o sul, onde era verão, estava dominado por cores douradas. Agora, porém, o verão no norte já começou, e a cor azulada está confinada a um pequeno círculo no polo.

Ao fazer a imagem acima, a Cassini estava inclinada a 62 graus em relação ao equador de Saturno. Até o início de 2015, a sonda deve descer progressivamente ao centro. Grande parte da missão Cassini-Huygens – projeto cooperativo da Nasa, da Agência Espacial Europeia (ESA) e da Agência Espacial Italiana (ASI) – ocorreu em volta do equador do planeta, onde fica a maioria de seus anéis e luas.

Fonte; ASTRONOMICANDO Boletin de Noticias do Observatório Astronômico Monóceros

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Astrônomos Descobrem Novo Sistema Solar com Sete Planetas


sábado, 26 de outubro de 2013

 Da BBC -Astrônomos descobriram um raro sistema planetário com um número de planetas que se assemelha ao do sistema solar. Dois times diferentes de pesquisadores apontaram para a recente descoberta de um sétimo planeta ao redor da estrela anã KIC 11442793.

O sistema tem similaridades com o nosso sistema solar - que tem oito planetas -, mas todos os seus sete planetas orbitam muito mais próximos de sua estrela, que está localizada a cerca de 2.500 anos luz da Terra.

O sistema solar foi descrito em dois estudos colocados no Arxiv.org, um arquivo eletrônico para artigos científicos que ainda não foram publicados em um periódico cientifico.

Duas pesquisas
Uma das identificações foi feita por voluntários usando o site Planet Hunters. O site foi criado para permitir que voluntários tivessem acesso a dados públicos enviados pelo telescópio espacial Kepler da Nasa, que foi lançado para procurar os chamados exoplanetas - planetas que orbitam estrelas distantes.

Kepler usa o método de "trânsito" para descobrir novos planetas, o que significa procurar pelas curvas de luz deixadas por um planeta quando este passa em frente à sua estrela hospedeira. Mas a grande quantidade de dados existentes não permite que os cientistas examinem cada curva de luz, e por isso eles desenvolveram programas de computador para procurar a assinatura de um trânsito planetário.

"Este é o primeiro sistema de sete planetas registrado pelo Kepler. Nós acreditamos que a identificação é segura", disse Chris Lintott, da Universidade de Oxford, coautor do artigo do Planet Hunters.

O time de Lintott submeteu sua pesquisa ao Astronomical Journal para ser revisada. Outro time de astrônomos de vários países europeus submeteu um segundo estudo registrando sua descoberta do sétimo planeta à outra publicação científica, o Astrophysical Jounal.

Semelhanças
Todos os sete planetas estão bem mais próximo de sua estrela mãe em uma comparação com as distâncias dos planetas do Sistema Solar. Na verdade, todos caberiam dentro da distância entra a Terra e o Sol - mostrando um espaço bastante "lotado". "Esta é uma das razões pelas quais eles são fáceis de ver, porque quanto mais perto eles estão de seu sol, mais frequentemente ele giram ao seu redor", disse Simpson.

O novo planeta é o quinto mais distante de sua estrela mãe, e leva quase 125 dias para completar uma órbita. Com um raio 2,8 vezes maior que o da Terra, ele faz parte de um grupo que inclui dois planetas com praticamente o mesmo porte da Terra, três "super-Terras" e dois corpos maiores.

"De certa forma, ele realmente se parece com o nosso Sistema Solar, com todos os pequenos planetas no interior e os grandes planetas na parte de fora. E isso não é necessariamente o que vemos normalmente", disse o coautor Robert Simpson, também da Universidade de Oxford.

Acredita-se que outra estrela, a HD 10180, tenha sete ou nove sinais planetários. Um sol distante chamado GJ 887C também pode ter uma família de sete planetas.

Sol Tem Duas Erupções Fortes nesta Sexta-feira


Imagem mostra a segunda erupção ocorrida nesta sexta, no lado esquerdo do disco solar 
(Foto: Nasa)
 
Detalhe da segunda erupção, ocorrida às
13h03 desta sexta (Foto: Nasa)

 

 sábado, 26 de outubro de 2013

Sol tem duas erupções fortes nesta sexta-feira

Do G1, em São Paulo


O Sol teve duas grandes erupções nesta sexta-feira (25), segundo informações do Observatório de Dinâmica Solar da Nasa. A primeira ocorreu às 6h01 (horário de Brasília)  e a segunda, às 13h03.

A Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA, na sigla em inglês) dos EUA confirmou que houve interferência nos sinais de rádio na Terra em decorrência das duas erupções. No entanto, elas não devem causar tempestades eletromagnéticas em nosso planeta.

As erupções solares são emissões súbitas de radiação na superfície do astro. A Nasa informa que a radiação prejudicial que poderia advir de um fenômeno como esse não ultrapassa a barreira protetora formada pela atmosfera terrestre.
Fonte : ASTRONOMICANDO Boletim de Noticias do Observatório Monoceros 

Mundos de Carbono



               

Mundos de carbono pode ser Waterless, NASA Finds Estudo

A versão completa da história com imagens explicativas está em :
http://www.jpl.nasa.gov/news/news.php?release=2013-308

Planetas ricos em carbono , incluindo os chamados planetas diamante, podem não ter oceanos, de acordo com a pesquisa teórica NASA- financiado .

Nosso Sol é uma estrela pobre em carbono e, como resultado, o nosso planeta Terra é composto principalmente de silicatos , e não de carbono. As estrelas com muito mais carbono do que o sol , por outro lado, estão previstos para fazer planetas cheio de carbono , e, talvez, mesmo as camadas de diamante.

Modelando os ingredientes desses sistemas planetários à base de carbono , os cientistas determinaram que eles não têm reservatórios de água gelada pensados ​​para suprir planetas com oceanos.

" Os blocos de construção que entraram em tornar os nossos oceanos são os asteróides e cometas de gelo ", disse Torrence Johnson , do Jet Propulsion Laboratory da NASA em Pasadena , Califórnia , que apresentou os resultados de 07 de outubro na Divisão Sociedade Astronômica Americana de Ciências Planetárias reunião em Denver . Johnson, um membro da equipe de várias missões planetárias da NASA , incluindo Galileu, Voyager e Cassini , passou décadas estudando os planetas do nosso próprio sistema solar.

"Se nós acompanhar esses blocos de construção , descobrimos que planetas em torno de estrelas ricas em carbono venha seca ", disse ele .

Johnson e seus colegas dizem que o carbono extra no desenvolvimento de sistemas estelares seria prender o oxigênio , impedindo-a de formar água.

"É irônico que, se o carbono , o elemento principal da vida, torna-se muito abundante, ele vai roubar o oxigênio que teria feito água , o solvente essencial para a vida como a conhecemos ", disse Jonathan Lunine de Cornell University, Ithaca, NY , um colaborador na pesquisa .

Uma das grandes questões no estudo de planetas além do nosso sistema solar, chamado exoplanetas , é se eles são ou não habitável. Pesquisadores identificam tais planetas pelo primeiro olhar para aqueles que estão situados dentro da " zona habitável " em torno das suas estrelas-mãe , que é onde as temperaturas são quentes o suficiente para que a água da piscina na superfície. Missão Kepler da NASA descobriu vários planetas dentro desta zona , e os investigadores continuam a analisar os dados de Kepler para os candidatos tão pequenos quanto a Terra.

Mas mesmo que um planeta se encontra nesta chamada zona "Goldilocks " , onde os oceanos poderia, em teoria, são abundantes , há , na verdade, bastante água disponível para molhar a superfície ? Johnson e sua equipe abordou esta questão com os modelos planetários baseados em medições da relação carbono- oxigênio do nosso sol. Nosso Sol , como outras estrelas , herdou uma sopa de elementos a partir do Big Bang e das gerações anteriores de estrelas , incluindo o hidrogênio, hélio , nitrogênio, silício , carbono e oxigênio .

"Nosso universo tem a sua própria lista dos 10 elementos ", disse Johnson, referindo-se aos 10 elementos mais abundantes no nosso universo.

Estes modelos de prever com precisão o quanto de água foi preso sob a forma de gelo no início da história do nosso sistema solar, há bilhões de anos , antes de fazer o seu caminho para a Terra. Cometas e / ou os organismos pais de asteróides são pensados ​​para ter sido os principais fornecedores de água , embora os pesquisadores ainda debatem seus papéis. De qualquer maneira, os objetos são disse ter começado sua jornada de muito além da Terra , além de um limite chamado de " linha de neve ", antes de colidir com a Terra e depositar águas profundas no planeta e na sua superfície.

Quando os pesquisadores aplicaram os modelos planetários para as estrelas ricas em carbono , a água desapareceu. "Não há neve além da linha de neve", disse Johnson.

" Todos os planetas rochosos não são criados iguais ", disse Lunine . " Os chamados planetas de diamante do tamanho da Terra , se eles existirem , ficará totalmente estranho para nós: sem vida, oceano menos mundos do deserto. "

Os resultados do modelo de computador que suportam estas conclusões foram publicadas no Astrophysical Journal no ano passado ( http://arxiv.org/abs/1208.3289 ) . As implicações para a habitabilidade nestes sistemas foram o foco da reunião da Divisão de Ciências Planetárias .

O Instituto de Tecnologia de Pasadena , na Califórnia gerencia JPL para a NASA.

domingo, 27 de outubro de 2013

Nasa Planeja Capturar Asteroide e Trazê-lo para Perto da Terra


Concepção de como seria a captura de um asteroide por uma nave da Nasa 
(Foto: Nasa/Advanced Concepts Laboratory)

 

Técnica permitiria o acesso direto de astronautas aos objetos.
Corpo celeste ficaria na órbita da Lua.

Do G1, em São Paulo

A Nasa apresentou um projeto para capturar um asteroide no espaço e mantê-lo para exploração constante perto da Terra. A ideia foi incluída na proposta de orçamento da agência espacial norte-americana para 2014, concluída durante esta semana.

Grosso modo, o objetivo da missão é lançar uma nave que consiga interceptar a rota de um asteroide e trazê-lo para a órbita da Lua. A partir de então, astronautas poderiam ir até lá para estudar melhor as características dos asteroides.

A estimativa da Nasa é que os astronautas possam chegar a um asteroide pela primeira vez a partir de 2021. Ainda dentro desse cronograma, a agência norte-americana pretende levar o homem a Marte na década de 2030.

Anteriormente, a Nasa já lançou outras missões para o estudo dos asteroides, incluindo a missão Dawn, que está em curso, visitando os maiores corpos celestes do cinturão de asteroides localizado entre Marte e Júpiter.

O desenvolvimento desse campo de pesquisa deve ajudar, inclusive, a defender a Terra caso algum asteroide venha a entrar em rota de colisão com o planeta.


Fonte: ASTRONOMICANDO Boletim de noticias do Observatório  Monoceros

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Astrônomos de Fortaleza Registram Foto da Passagem do Cometa Ison


quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Astrônomos de Fortaleza Registram Foto da Passagem do Cometa Ison

André Teixeira 
  Do G1 CE

                    Ison é fotografado no céu do Ceará quando passava pela constelação de leão 
Foto: CASF/Divulgação)

Um grupo de astrônomos de Fortaleza registrou a passagem do cometa Ison na madrugada de terça-feira (15). O astro foi descoberto na Rússia em dezembro de 2012 com uso de um telescópio Ison, que batiza o cometa. O registro foi feito na cidade de Paramoti, no interior do Ceará, por membros do Clube de Astronomia de Fortaleza (Casf), que reúne astrônomos amadores e profissionais.

Com base em estudos da órbita do astro, acredita-se que o Ison se formou nos limites do sistema solar, em área conhecida como nuvem de Oort. “Tal nuvem fica além da órbita de Urano e é formada por restos da formação do sistema solar. Estudar cometas vindos dessa região é importante, pois eles podem trazer pistas de como se formaram o Sol e os planetas e como surgiu a vida na Terra”, explica Paulo Régis, membro do Casf.

A imagem feita pelo grupo registra a passagem do Ison pela constelação de leão. Na foto é possível é identificar o centro do astro e a cauda, parte de aspecto esfumaçado, formado pela poeira desintegrada do corpo sólido durante o trajeto em torno do Sol.

“Fotografar o cometa ainda longe da Terra não é uma tarefa fácil. Ele é muito pequeno e débil para ser detectado por equipamentos comuns. É necessário equipamentos especiais e bons telescópios. No mundo, alguns registros já foram feitos; no Brasil, temos apenas dois registros até agora”, diz Régis.

O Ison orbita o Sol em uma trajetória na forma de parábola e deve atingir em 28 de novembro o periélio, a menor distância de um astro em relação ao Sol, quando ele “viaja” em velocidade máxima. 

Com a aproximação em relação ao Sol, a visualização do astro deve se tornar mais fácil e com registros mais nítidos. “O Ison, segundo as previsões iniciais, deve se tornar no final de novembro um astro próximo de um grande cometa, provavelmente visível a olho nu e chamando muita atenção, mesmo em grandes centros urbanos, como Fortaleza”, explica o membro do Casf. Para visualização de astros nos céu noturno, áreas com luminosidade urbana dificultam a observação.
Fonte; ASTRONOMICANDO  Boletim de Noticias do Observatório Astronomico Monoceros 

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Saturno e Júpiter podem ter Chuva de Diamantes



                       14 de Outubro de 201318h32 atualizado às 20h11
 Estudo:
Diamantes - tão grandes que poderiam ser usados por estrelas de Hollywood - podem estar caindo do céu em Saturno e em Júpiter. Essa é a conclusão de dois cientistas americanos, que apresentaram sua pesquisa no encontro anual da divisão de Ciências Planetárias da Sociedade Americana de Astronomia, que aconteceu em Denver, nos Estados Unidos.
A tese de Baines e Mona afirma que poderosos raios transformam o metano em partículas de carbono. À medida que vai caindo, esse carbono entra em choque com a pressão atmosférica desses planetas, e se transformam primeiro em pedaços de grafite e, em seguida, em diamantes.
 Dependendo das condições, esses "granizos" de diamante podem inclusive derreter.
Anel de diamante
Os maiores diamantes provavelmente seriam de um centímetro de diâmetro, de acordo com Baines. "Seria um diamante grande o suficiente pra colocar em um anel", disse, acrescentando que seria algo que a atriz Elizabeth Taylor ficaria "orgulhosa em usar".
"O importante é que mil toneladas de diamantes são produzidos por ano em Saturno. E as pessoas me perguntam: 'como você pode ter certeza se não tem como ir para lá?' Bem, tudo é uma questão química. E acreditamos que estamos bastante certos"
"Parece válida a ideia de que há uma profunda variação dentro das atmosferas de Júpiter e ainda mais de Saturno, nas quais o carbono poderia se estabilizar como diamante", disse o professor Raymond Jeanloz, um dos responsáveis pela descoberta de que havia diamantes em Urânio e Netuno.
 
Fonte; Foto google 
Estudo;
 

domingo, 22 de setembro de 2013

Nebulosa do Camarão


        Quinta-feira, 19 de Setembro de 2013

Nebulosa do Camarão é registrada em detalhes por telescópio no Chile

Berçário estelar a 6 mil anos-luz da Terra tem dimensão de 4 luas cheias.
Imagens revelam grupos de astros quentes recém-nascidos entre nuvens.

Da EFE

Nebulosa do Camarão é registrada pelo VLT em imagem mais nítida já obtida dela
 (Foto: Martin Pugh/ESO)

O telescópio VLT, localizado no norte do Chile, obteve algumas das imagens de melhor qualidade já feitas da Nebulosa do Camarão, um enorme berçário estelar situado a 6 mil anos-luz da Terra, na constelação de Escorpião.

Segundo informou nesta quarta-feira (18) o Observatório Europeu do Sul (ESO), nessas fotos é possível observar grupos de estrelas quentes recém-nascidas encolhidas entre as nuvens que compõem a nebulosa, uma região cheia de gás e bolhas escuras que geram novos astros.

Essa formação espacial, também conhecida como Gum 56, tem uma extensão que equivale a quatro vezes a dimensão de uma Lua cheia. Há milhões de anos, surgiram nessa parte do Universo várias estrelas, tanto de forma individual como reunidas em nuvens.

Nas imagens divulgadas pelo ESO, é possível ver o Collinder 316, um grande cúmulo de estrelas disperso que faz parte de um conjunto ainda maior de estrelas luminosas. Além disso, foram observadas diversas estruturas ou cavidades de cor mais escura, nas quais a matéria interestelar foi expulsa por fortes correntes de vento, geradas a partir de astros quentes próximos.

O telescópio VLT tem 2,6 metros de diâmetro e é o maior do mundo para pesquisar o céu em luz visível, capaz de gerar imagens de até 268 megapíxels. As imagens feitas pelo VLT foram melhoradas ao se juntar com outras obtidas pelo astrônomo australiano Martin Pugh, que fez imagens em seu país, com telescópios de 32 e 13 centímetros de diâmetro.
FONTE : ASTRONOMICANDO Boletim de Noticias do Observatório Astronomico Monoceros 

 

sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Galáxias Monstros perdem o Apetite com a Idade


Galáxias monstros perdem o apetite com a idade

A versão completa da história com imagens explicativas está em:
http://www.jpl.nasa.gov/news/news.php?release=2013-239&cid=release_2013-239


Nosso universo é cheio de bocas de galáxias unidas pela gravidade para as famílias maiores chamados clusters. Situada no coração da maioria dos aglomerados é uma galáxia monstro pensado para crescer em tamanho por meio da fusão com galáxias vizinhas, processo astrônomos chamam de canibalismo galáctico.

Uma nova pesquisa do telescópio espacial Spitzer da NASA e Wide-field Infrared Pesquisa Explorer (WISE) está mostrando que, ao contrário das teorias anteriores, estas galáxias gigantescos parecem retardar seu crescimento ao longo do tempo, alimentando cada vez menos fora galáxias vizinhas.

"Descobrimos que essas galáxias massivas pode ter começado uma dieta nos últimos 5.000 milhões anos e, portanto, não ganharam muito peso recentemente", disse Yen-Ting Lin da Academia Sinica, em Taipei, Taiwan, autor principal de um estudo publicado no Astrophysical Journal.

Peter Eisenhardt, um co-autor do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA em Pasadena, Califórnia, disse que "WISE e Spitzer está deixando-nos ver que há muita coisa que não entendo - mas também muita coisa que não entendo - cerca de a massa das galáxias mais maciças. " Eisenhardt identificado na amostra de aglomerados de galáxias estudadas por Spitzer, e é o cientista do projeto para WISE.

As novas descobertas ajudarão os pesquisadores a entender como aglomerados de galáxias - entre as estruturas de maior massa no nosso universo - formam e evoluem.

Os enxames de galáxias são compostas por milhares de galáxias, reunidos em torno de seu maior membro, o que os astrônomos chamam a galáxia mais brilhante aglomerado, ou BCG. BCGs podem ter até dezenas de vezes a massa de galáxias como a nossa Via Láctea. Eles engordar em tamanho por cannibalizing noutras galáxias, bem como assimilar estrelas que são canalizadas para o meio de um conjunto crescente.

Para controlar a forma como esse processo funciona, os astrônomos pesquisou cerca de 300 aglomerados de galáxias, abrangendo 9000000000 anos de tempo cósmico. O aglomerado mais distante remonta a uma época em que o universo foi de 4,3 bilhões de anos, e os mais próximos, quando o universo era muito mais velho, 13 bilhões de anos (o nosso universo é atualmente 13800000000 anos de idade).

"Você não pode assistir a uma galáxia crescem, portanto, fizesse um censo da população", disse Lin. "Nossa nova abordagem nos permite conectar as propriedades médias de grupos que observamos no passado relativamente recente com aqueles que observam mais para trás na história do universo."

Spitzer e WISE são ambos telescópios de infravermelho, mas eles têm características únicas que se complementam em estudos como estes. Por exemplo, o Spitzer pode ver mais detalhes do WISE, que lhe permite capturar os aglomerados mais distantes melhor. Por outro lado, sábio, um levantamento de todo o céu no infravermelho, é melhor para a captura de imagens de aglomerados próximos, graças ao seu maior campo de visão. Spitzer ainda é para cima e observar; WISE entrou em hibernação em 2011, após sucesso de varredura do céu duas vezes.

Os resultados mostraram que o crescimento BCG passou ao longo taxas previstas pelas teorias até os 5 bilhões de anos, ou um tempo quando o universo tinha cerca de 8 bilhões de anos. Após esse tempo, parece que as galáxias, em sua maior parte, parou mastigando outras galáxias em torno deles.

Os cientistas não tem certeza sobre a causa de diminuição de apetite BCGs ', mas os resultados sugerem que os modelos atuais precisam mexer.

"BCGs são um pouco como as baleias azuis - ambos são gigantescos e muito raro em número Nossa censo da população de BCGs é de uma forma semelhante a medir como as baleias ganhar o seu peso à medida que envelhecem No nosso caso, as baleias aren.. 't ganhando tanto peso quanto pensávamos. Nossas teorias não estão combinando o que observamos, nos levando a novas questões ", disse Lin.

Outra explicação possível é que os inquéritos estão perdendo um grande número de estrelas nos aglomerados mais maduros. Clusters podem ser ambientes violentos, onde as estrelas são retirados de galáxias em colisão e jogou para o espaço. Se as observações recentes não estão detectando essas estrelas, é possível que as enormes galáxias são, na verdade, continuando a granel para cima.

Futuros estudos de Lin e outros, deve revelar mais sobre os hábitos alimentares de uma das maiores espécies galácticas da natureza.

JPL gerencia a missão do telescópio espacial Spitzer para a Missão Direcção de Ciência da NASA em Washington. Operações científicas são realizadas no Centro de Ciência Spitzer no Instituto de Tecnologia da Califórnia em Pasadena. Os dados são arquivados no Arquivo Ciência Infrared alojados no Processamento de infravermelho e Centro de Análise da Caltech. Caltech gerencia JPL para a NASA. Para mais informações sobre Spitzer, visite http://spitzer.caltech.edu e http://www.nasa.gov/spitzer.

JPL é operado WISE para a Direcção de Missões Científicas da NASA. Edward Wright é o investigador principal e está na UCLA. A missão foi selecionado competitivamente no âmbito do Programa Exploradores da NASA gerenciado pelo Goddard Space Flight Center da agência em Greenbelt, Maryland O instrumento ciência foi construído pelo Laboratório de Dinâmica Espacial em Logan, Utah. A nave foi construída pelo Ball Aerospace & Technologies Corp, em Boulder, Colo operações Ciência e processamento de dados ocorrerá no Processamento de infravermelho e Centro de Análise do Instituto de Tecnologia da Califórnia em Pasadena. Caltech gerencia JPL para a NASA. Mais informação está disponível online em http://www.nasa.gov/wise e http://wise.astro.ucla.edu e http://jpl.nasa.gov/wise.

segunda-feira, 29 de julho de 2013

Pesquisador descobre mais uma Lua orbitando ao Redor de Netuno Do G1, em São Paulo


A imagem mostra as órbitas de algumas das luas de Netuno. Todas foram descobertas em 1989 pela nave Voyager 2, exceto a S/2004 N1, identificada pelo Hubble. (Foto: Divulgação/ NASA, ESA, e A. Feild-STScI)
 Do G1, em São Paulo

Mais uma lua foi descoberta orbitando ao redor de Netuno. Até então, já se conheciam 13 luas do planeta.  A observação da 14ª foi feita pelo Telescópio Espacial Hubble, da Nasa, no dia 1º de julho.

Trata-se do menor satélite de Netuno, medindo o equivalente a pouco mais de 19 quilômetros de diâmetro. 

Cientistas observam que seu brilho é cerca de 100 milhões de vezes mais fraco do que o da menor estrela que pode ser vista a olho nu.  Ele havia passado despercebido até pela nave Voyager 2, que passou próxima a Netuno em 1989, quando pesquisou as luas e os anéis do planeta azul.

Quem constatou a presença da minúscula lua foi o pesquisador Mark Showalter, do Instituto Seti, na Califórnia, enquanto estudava os arcos tênues ao redor do planeta. Em 150 fotografias tiradas pelo Hubble de 2004 a 2009, Showalter percebeu que havia um pequeno ponto branco que aparecia em várias das imagens.

A sequência das fotos mostrou que o pontinho fazia uma órbita completa ao redor de Netuno, permanecendo a cerca de 65.400 milhas do planeta, entre as órbitas de outras duas luas: Larissa e Proteus.

“As luas e arcos orbitam muito rapidamente, então tivemos que encontrar um jeito de seguir seu movimento com o objetivo de revelar os detalhes do sistema. É a mesma razão pela qual um fotógrafo de esporte rastreia um atleta correndo – o atleta fica em foco, mas o fundo borra”,  disse Showalter. O cientista constatou também que o satélite completa cada volta ao redor do planeta a cada 23 horas

Fonte; Astronomicando Boletim de noticias do Obeservatório Monoceros

Telescópio Hubble Registra Centro de Galáxia a 90 milhões de Anos-luz


Objeto NGC 524 fica localizado na constelação de Peixes.NGC 524 é do tipo lenticular, estado intermediário na evolução galáctica.

Do G1, em São Paulo

Centro da galáxescópio Espacial Hubble, da Nasa (Foto: Nasa/ESA/AFP)

O Telescópio Espacial Hubble, da Nasa, captou uma imagem do centro da galáxia NGC 524, na constelação de Peixes, a 90 milhões de anos-luz da Terra. O registro foi divulgado pela agência americana na sexta-feira (26).

O objeto é do tipo lenticular (com formato de lente), um estado intermediário na evolução galáctica, entre os tipos espiral – como a Via Láctea – e elíptico, que tem forma esférica e pode ser resultante da união de duas galáxias espirais.


As galáxias espirais são um sistema estelar de meia-idade, com grandes braços ao redor que contêm milhões de astros. Junto com essas estrelas, existem grandes nuvens de gás e poeira que, quando estão muito densas, funcionam como uma espécie de "berçário" onde nascem novos astros.

A partir do momento em que todo o gás é esgotado ou perdido no espaço, os braços gradualmente desaparecem e o formato espiral começa a se enfraquecer.

Ao fim desse processo, o que resta é uma galáxia lenticular, um disco brilhante cheio de estrelas vermelhas, rodeadas por um pouco de gás e poeira. No caso da NGC 524, ainda há um movimento parecido com o das galáxias espirais, o que ajuda a explicar sua estrutura complexa.
FONTE; Astronomicando Boletim de Noticias do Observatório Monoceros

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Buraco gigante é visto no polo norte da camada mais externa do Sol


 

Do G1, em São Paulo

Região escura foi registrada por observatório da Nasa/ESA na sexta (18).
Fenômeno é importante para entender clima espacial, dizem astrônomos.


PHOTO
Buraco escuro é visto no polo norte da camada mais externa do Sol, a coroa solar
 (Foto: ESA/Nasa/Soho)

Um buraco gigantesco no polo norte da camada mais externa da atmosfera do Sol, chamada coroa solar (ou corona), foi detectado pelo Observatório Solar e Heliosférico (Soho), da Agência Espacial Europeia (ESA) e da agência espacial americana (Nasa), na sexta-feira (18), às 10h06 pelo horário de Brasília.

Embora não esteja claro o que provoca esses buracos, eles correspondem a áreas solares em que os campos magnéticos do astro sobem e vão para longe, e não conseguem retornar à superfície.

Esses buracos são regiões de baixa densidade que contêm pouco material solar, apresentam temperaturas mais baixas e, portanto, parecem mais escuras que as áreas ao redor.

Regiões como essa são uma característica típica do Sol, apesar de aparecerem em lugares diferentes e em momentos distintos do ciclo de atividade do astro – que está aumentando em direção ao fenômeno conhecido como "máximo solar", cujo pico de atividade está previsto para o final deste ano.

Durante parte desse ciclo, o número de buracos coronais diminui. Já no máximo solar, os campos magnéticos da estrela se invertem e novos buracos aparecem perto dos polos. Eles, então, aumentam em número e tamanho, estendendo-se para longe dos polos, enquanto o Sol caminha novamente para o "mínimo solar".

Segundo os astrônomos, esses buracos são importantes para a compreensão do clima espacial, pois são fonte de um vento de alta velocidade vindo de partículas solares que saem três vezes mais rápido em relação a outros locais do Sol.
Fonte; Astronomicando Boletim de noticias do Observatório Monoceros

Nasa divulga imagem da Terra tirada a partir de Saturno, a 1,5 bilhão de km


 

terça-feira, 23 de julho de 2013

 Imagem da Terra divulgada pela Nasa, tirada a partir da órbita de Saturno, a 1,5 bilhão de quilômetros. (Foto: AFP Photo / NASA/JPL-Caltech/SSI)

A agência espacial americana Nasa divulgou imagens da Terra tiradas nesta sexta-feira (19) a partir da missão Cassini, que está orbitando ao redor de Saturno. As imagens foram recebidas na Terra neste sábado (20).
O nosso planeta é o ponto mais brilhante na imagem acima, perto do centro, e a Lua é vista do lado esquerdo inferior. A câmera estava a quase 1,5 bilhão de quilômetros da Terra.